30 ANOS EM 30 DIAS – ANO 17 – ADEUS, COLÉGIO MUNICIPAL

Deixe um comentário

1 de janeiro de 2016 por Lucas Rafael Chianello

Foram 12 anos seguidos no mesmo lugar. Até a quinta série, compromisso marcado para depois do almoço, às 13h. A partir da sexta série, levantar cedo e chegar às 7h da matina. Num determinado momento, um hábito saturado aliado ao sagrado costume de dormir tarde na noite anterior, o que dificultava ainda mais as coisas.

O Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza é a fonte de toda formação intelectual e cidadã do editor-chefe. Textos, números, fórmulas, laboratório, quadra, sala de vídeo, reflexão sobre fatos políticos marcantes, palestras, amizades e o convívio com alunos filhos da classe trabalhadora e com professores fizeram muito do editor-chefe o que ele é.

Para encerrar com chave de ouro o período vivido no Colégio Municipal, o editor-chefe teve sua chapa eleita para o grêmio estudantil. Num universo de cerca de 1.300 alunos votantes, aproximadamente 75% dos votos obtidos. E você achando que o Tsipras, com felicitação do Fidel e tudo, fez muito quando venceu o referendo sobre os pacotes de austeridade com 61% dos votos.

Porém, as dificuldades e suas decorrentes mágoas também apareceram. Àquela altura o editor-chefe já tinha lido o Manifesto e estudado algo sobre a Revolução Russa. Daí porque conseguia entender como estudante de escola pública e filho de trabalhador acreditava no Jornal de Poços, no mercado e na meritocracia: “A burguesia molda o mundo à sua imagem”, ou “Barriga de operário, cabeça de burguês.” Tim Maia também explica: “No Brasil, puta goza, cafetão sente ciúme, traficante é viciado e pobre é de direita.”

A Matemática, sempre ela, foi cruel e bem que tentou, mas o editor-chefe foi até o limite de suas forças e na prova final conseguiu a pontuação necessária para encerrar um dos mais lindos capítulos de sua vida. Para o bem ou para o mal a vida segue e o Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza precisava se tornar uma página virada.

A formatura do ensino médio era a emancipação da segunda casa. Só se sente saudades daquilo que valeu a pena.

Fachada do prédio principal do Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza.

Fachada do prédio principal do Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza.

Portão de entrada do Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza.

Portão de entrada do Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: