CHIANÉLLICO COPEIRO – OBRIGADO, RACHID MEKHLOUFI

Deixe um comentário

2 de julho de 2014 por Lucas Rafael Chianello

Era março de 2008. Onde eu ia sempre carregava debaixo do braço a biografia João Saldanha, uma vida em jogo, de André Iki Siqueira. Estava em Arceburgo, pequena cidade do sul de Minas Gerais quando um companheiro de lutas disse: “Assista A Batalha de Argel”.

Meses depois, numa dessas mesas de plástico que servem de bancas improvisadas em que movimentos de esquerda vendem livros e filmes para financiarem suas atividades durante algum evento, vi o filme sobre o qual meu companheiro mencionara alguns meses antes. Comprei. O filme trata da luta pela independência do povo argelino, colônia da França até 1962.

Anos depois eu já estava preparado para assistir a mais um jogo do Campeonato Brasileiro quando ao mudar os canais da televisão vejo que na TV Cultura estava passando Os Rebeldes do Futebol, no mesmo horário do jogo de domingo a tarde. Valeu a pena perder o primeiro tempo do jogo que eu iria assistir. Sequer lembro quais times jogaram naquele tarde em que me rendi ainda mais ao povo argelino.

O episódio de Rebeldes do Futebol contava a história de vida de Rachid Mekhloufi, argelino que jogava no Saint Ettiene da França e junto com outros argelinos, que jogavam em clubes franceses, desertaram deles para criarem o combinado da Força de Libertação Nacional, que utilizou o futebol para divulgar a causa da independência argelina da França em excursões que percorreram principalmente os países socialistas do leste europeu.

Num desses jogos, uma expressiva goleada sobre a Iugoslávia, por 6×1, em plena Belgrado sob regime socialista liderado pelo Marechal Tito.

Geralmente jogadores de futebol são pessoas indiferentes a uma causa. Raramente se tem um Afonsinho, um Sócrates (também documentado em Os Rebeldes do Futebol), um Paulo Cézar Caju. Além de referências em relação a performances e recordes, muitas vezes buscamos referências ativistas e cidadãs.

Valeu a pena, naquela tarde, assistir a um futebol diferente desse produto semanal das transmissões televisivas. Este sim é o futebol que tem história para contar. Assistir o episódio de Rachid Mekhloufi na série Rebeldes do Futebol fez com que eu tivesse meu novo e maior ídolo no esporte. Fato determinante para que eu torcesse para a Argélia nesta Copa e mais uma vez renovasse minha profissão de fé na humanidade e na construção de um mundo mais justo e solidário.

Obrigado, Rachid Mekhloufi.

Rachid Mekhloufi, líder do combinado da Força de Libertação Nacional, embrião da seleção argelina.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: