QUEM SEMEIA VENTO, COLHE TEMPESTADE

1

24 de março de 2013 por Lucas Rafael Chianello

Hoje, quando passeava pela livraria, vi um exemplar do livro “Mensalão: o dia a dia do mais importante julgamento da história política do Brasil”, de autoria do Merdal Pereira. Sim, Merdal, e não me venham com papo de ternura, educação, qualificação. Se o cara publica um livro falando que vivemos no país dos petralhas, também merece repúdio à altura.

Metade do título acima mencionado está correta. Não se trata de um julgamento jurídico, mas de um julgamento político. Em algumas postagens a seguir, republicarei um artigo então divulgado no meu antigo blog, o Além da Grande Mídia, para mostrar, juridicamente, as falhas processuais e constitucionais do julgamento.

Merdal, dado sua predisposição política a um governo ao qual se opõe, tem total interesse na causa e seu livro é prefaciado pelo então Ministro do STF, Carlos Ayres Britto. Quer confissão maior de que estamos sob um julgamento suspeito?

Na verdade a exaltação já foi maior, mas ao mesmo o monstro Joaquim Bargolpe vai tomando proporções incontroláveis, a ponto de ter a pretensão de mandar repórter chafurdar lixo e de acusar advogados e juízes de conluio. Há diversas formas de justiciamento, o que é diferente de julgamento. Bargolpe, no mais puro ataque à ordem jurídica e democrática do país, promove um espetáculo midiático justicialesco de condenação a qualquer custo.

Daqui alguns dias, passaremos por uma data que é a maior chaga na história de nosso país: 31 de março. Uma das infelizes características desta data foi o juízo de exceção que se estabeleceu. Os cidadãos comuns tido como inimigos do regime eram julgados pela justiça militar, cuja competência é julgar apenas os crimes cometidos pelos oficiais das Forças Armadas, conforme dispõe o Código Penal Militar. Porém, da mesma forma que assim eram os julgamentos suspeitos da ditadura, assim ocorre no STF: um tribunal de recurso julgando em sede de primeira instância crimes dos quais não tem competência originária para apurar e julgar.

Enfim, atualmente, inclusive para os que odeiam o PT gratuitamente, pode ser muito bonito ver tudo o que está acontecendo sob o argumento de “petista tem que ir pra cadeia, o resto vemos depois”. Porém, a mesma criminalização da política, que levou ao golpe de 1964 contra os que promoviam as reformas de base, é a mesma criminalização que pode levar o país a uma nova ditadura. Naquela, a receita foi “mídia + exército + empresariado”. Desta vez, a receita é “mídia + judiciário”.

FHC: esqueçam o que escrevi. Luiz Fux: esqueçam o que falei.

FHC: esqueçam o que escrevi. Luiz Fux: esqueçam o que falei.

A operação já foi deflagrada, inclusive com Ministro do STF solicitando excluir dos arquivos o que disseram ao longo do julgamento, palavras principalmente consistentes em “não tenho provas, mas vou condenar”. Numa hipotética hora em que Joaquim Bargolpe assumir o comando deste país e sua tirania valer para todos, além dos petistas, aí terá sido tarde demais. Quem avisa amigo é.

Anúncios

Um pensamento sobre “QUEM SEMEIA VENTO, COLHE TEMPESTADE

  1. Gostei de conhecer seu blog Lucas. Gostei também deste artigo. Abração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: